Início    Copas do Mundo    Alfabetos    Bibliotecas    Museus    Teatros    Biomas    Mapas    Contato   Radio

Região Centro-Oeste       Região Nordeste       Região Norte      Região Sudeste       Região Sul

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Copa do Mundo de 1958 na Suécia

Compartilhar

 

Pôster da Copa do Mundo de Futebol de 1958 na Suécia.

A Copa do Mundo de 1958 na Suécia

A Suécia foi escolhida para realizar a Copa do Mundo 1958 em 1950, e foi derrotada pelo Brasil na final. O Brasil conquistou sua primeira Copa do Mundo, a única disputada na Europa vencida por uma seleção não-européia, encantando o mundo com jogadores como Pelé e Garrincha. 

O artilheiro da copa foi o francês Just Fontaine, com o recorde de 13 gols. Os argentinos, que não disputavam a Copa do Mundo desde 1930, tiveram uma participação vergonhosa sendo eliminados com uma derrota de 6x1 para a Tchecoslováquia.

Seleções participantes: 16
Alemanha Ocidental | Argentina | Áustria | Brasil | Escócia
França | Gales | Hungria | Inglaterra | Irlanda do Norte
Iugoslávia | México | Paraguai Suécia | Tchecoslováquia
URSS |
Seleções estreantes: 3 (19%) - Gales, Irlanda do Norte e URSS

Brasil na Copa do Mundo 1958

Delegação Brasileira: Castilho, Bellini, Gilmar, Djalma Santos, Dino Sani, Didi, Zagallo, Oreco, Zózimo, Pelé, Garrincha, Nílton Santos, Moacir, De Sordi, Orlando, Mauro, Joel, Mazzola, Zito, Vavá, Dida, Pepe, Técnico - Vicente Ítalo Feola.

Em 1958 finalmente o Brasil conquistou a sua primeira Copa do Mundo. Nas eliminatórias o Brasil passou apertado pelo Peru, com um empate de 1x1 em Lima e vitória de 1x0 no Maracanã. A campanha do Brasil na Copa do Mundo foi a seguinte: 3x0 Áustria, 0x0 Inglaterra e 2x0 URSS na primeira fase; 1x0 País de Gales nas quartas-de-final; 5x2 França na semi-final; 5x2 Suécia na final.

Campeão da Copa do Mundo 1958

Os brasileiros encantaram o mundo com uma seleção de craques, cujas principais estrelas eram Pelé e Garrincha. Além deles, o Brasil contava com grandes jogadores como Gilmar, Djalma Santos, Nilton Santos, Zito, Didi, Vavá, Zagalo. Na véspera o jogo final chovia muito em Estocolmo, e os brasileiros temiam que o campo pesado prejudicasse o jogo mais técnico dos brasileiros. Porém, em uma demonstração de fair-play, os suecos haviam coberto totalmente o campo com lonas. O jogo começou com a Suécia abrindo o marcador logo aos 4 minutos, porém o Brasil não se abateu e empatou logo depois com Vavá aos 9 minutos. Vavá ainda desempataria aos 32 minutos. No segundo tempo os brasileiros sacramentaram a vitória com gols de Pelé (10 e 45 minutos) e Zagalo (13 minutos). O placar final foi de 5x2.

Tabela e jogos da Copa do Mundo 1958

Bellini e o gesto imortalizado

Eliminatórias: 55 seleções
Classificados automaticamente: Alemanha Ocidental (último campeão) e Suécia (país-sede)
Sede: Suécia
Campeão: Brasil - 1º título
Jogos: 35
Gols: 126
Média de gols: 3,6
Público: 868.000
Média de público: 24.800
Artilheiros: Just Fontaine (França) - 13 gols

O Brasil na Copa de 1958 na Suécia: campeão
6 jogos | 5 vitórias e 1 empate | 16 gols a favor e 4 gols sofridos | saldo de gols +12.

Primeira fase:
Grupo 1 - 1o Alemanha Ocidental, 2o Irlanda do Norte, 3o Tchecoslováquia, 4o Argentina.
Grupo 2 - 1o França, 2o Iugoslávia, 3o Paraguai, 4o Escócia.
Grupo 3 - 1o Suécia, 2o País de Gales, 3o Hungria, 4o México.
Grupo 4 - 1o Brasil, 2o URSS, 3o Inglaterra 4o Áustria.

Quartas-de-final:
Suécia 2x0 URSS
Alemanha Ocidental 1x0 Iugoslávia
França 4x0 Irlanda do Norte
Brasil 1x0 País de Gales

Semi-finais:
Suécia 3x1 Alemanha Ocidental
Brasil 5x2 França

3o Lugar
França 6x3 Alemanha Ocidental

Final:
Brasil 5x2 Suécia

Curiosidades da Copa do Mundo 1958

Como Brasil e Suécia têm uniforme amarelo, houve sorteio para ver que jogaria com a vestimenta principal na final. A seleção brasileira tinha como chefe da delegação Paulo Machado de Carvalho, que era mestre na motivação dos jogadores, o qual atendeu o telefone para saber o resultado do sorteio. Ao receber a notícia de que o Brasil havia perdido o sorteio, Paulo Machado de Carvalho não titubeou e gritou na frente dos jogadores "era isso que eu queria, jogar de azul, vamos ganhar!". 

Após a vitória do Brasil sobre a Suécia na final, o capitão Bellini recebeu a taça e as atenções de todos que queriam fotografá-la. Então, Bellini ergueu a taça do mundo sobre sua cabeça, de modo que todos a pudessem fotografar. Nascia assim o famoso gesto, que desde então vem sendo repetido pelos campeões ao logo dos anos.

A Copa da Suécia foi a primeira a ser televisionada. Mais de setenta países acompanharam o evento. Estádios e uma equipe competitiva foram construídos especialmente para a Copa da Suécia. De acordo com o revezamento a Copa de 1958 deveria ser feita na América do Sul, mas a FIFA decidiu manter na Europa mais uma Copa, sob protestos dos países sul-americanos.

53 países disputaram as eliminatórias e, pela primeira vez, seleções da Ásia e da África participaram do torneio classificatório. Nove seleções da Ásia e África disputaram uma vaga. A seleção de Israel quase se classifica para a Copa sem jogar um jogo. Turquia e Sudão se recusaram a jogar com a equipe de Israel e a Indonésia se recusou a jogar em solo israelense. Entretanto, uma regra determinava que nenhuma equipe poderia se classificar sem ter jogado nenhum jogo. Um confronto direto intercontinental com Gales (segundo do Grupo 4 da UEFA) determinaria a equipe classificada. Gales venceu os dois jogos por 2 a 0 e o sonho de uma equipe da Ásia ou da África na Copa do Mundo foi adiado.

Poucos meses antes da Copa o avião que transportava diversos jogadores do Manchester United caiu em Munique. O Manchester United era base da seleção inglesa.

Desta vez a melhor equipe venceu. E finalmente a taça do mundo é do Brasil. Destacaram-se Didi, Garrincha e sobretudo o jovem Pelé, o mais novo jogador a vencer uma Copa do Mundo com dezessete anos e oito meses quando o Brasil conquistou a Copa de 1958.

A mística camisa 10 de Pelé é fruto da desorganização. Os dirigentes não enviaram a numeração da camisa dos jogadores e coube a FIFA escolher e eternizar a camisa 10 para Pelé, reserva na ocasião.

A seleção brasileira de 1958 é considerada a melhor seleção nacional de todos os tempos por vários especialistas, superando inclusive o time canarinho de 1970. Nunca o Brasil perdeu um jogo quando estavam em campo Pelé e Garrincha. E eles, assim como Didi, Zagallo, Zito, Vavá e Djama Santos fizeram a diferença para o Brasil superar o trauma de nunca ter vencido um torneio Mundial.

 Pelé chora no ombro de Didi, depois da vitória de 5 a 2 sobre a Suécia na final de 58, com Gilmar e Orlando.

Ficha dos jogos do Brasil na Copa do Mundo de 1958 na Suécia
Primeira Fase:
8/junho/1958
Brasil 3 x 0 Áustria
Local: Rimervallen (Uddevalla)
Árbitro: Maurice Guigue (França)
Gols: Mazzola 38 do 1º tempo; Nílton Santos 4, Mazzola 44 do 2º.
BRASIL: Gilmar; De Sordi, Bellini, Orlando, Nílton Santos; Dino, Didi; Joel, Mazzola, Dida, Zagalo.
ÁUSTRIA: Szanwald; Halla, Koller; Hanappi, Swoboda, Happel; Horak, Senekowitch, Buzek, Korner, Schleger.

11/junho/1958
Brasil 0 x 0 Inglaterra
Local: Nya Ullevi (Gotemburgo)
Árbitro: Albert Dusch (Alemanha Ocidental)
BRASIL: Gilmar; De Sordi, Bellini, Orlando, Nílton Santos; Dino, Didi; Joel, Mazzola, Vavá, Zagalo.
INGLATERRA: McDonald; Howe, Banks; Clamp, Wright, Slater; Douglas, Robson, Kevan, Haynes, A'Court.

15/junho/1958
Brasil 2 x 0 URSS
Local: Nya Ullevi (Gotemburgo)
Árbitro: Maurice Guigue (França)
Gols: Vavá 3 do 1º tempo; Vavá 21 do 2º.
BRASIL: Gilmar; De Sordi, Bellini, Orlando, Nílton Santos; Zito, Didi; Garrincha, Vavá, Pelé, Zagalo.
URSS: Yashin; Kesarev, Krijevsky; Kuznetsov, Voinov, Tsarev; A. Ivanov, V. Ivanov, Simonjan, Igor Netto, Iljin.

Quartas-de-final: 19/junho/1958
Brasil 1 x 0 País de Gales
Local: Nya Ullevi (Gotemburgo)
Árbitro: Hriedrich Speilt (Áustria)
Gol: Pelé 26 do 2º tempo.
BRASIL: Gilmar; De Sordi, Bellini, Orlando, Nílton Santos; Zito, Didi; Garrincha, Mazzola, Pelé, Zagalo.
PAÍS DE GALES: Kelsey; Williams, M. Charles; Hopkins, Sullivan, Bowen; Medwin, Hewitt, Webster, Allchurch, Jones.

Semifinal: 24/junho/1958
Brasil 5 x 2 França
Local: Raasunda (Estocolmo)
Árbitro: Mervyn Griffiths (País de Gales)
Gols: Vavá 2, Fontaine 8, Didi 39 do 1º tempo; Pelé 8, 19 e 31, Piantoni 40 do 2º.
BRASIL: Gilmar; De Sordi, Bellini, Orlando, Nílton Santos; Zito, Didi; Garrincha, Vavá, Pelé, Zagalo.
FRANÇA: Abbes; Kaelbel, Jonquet; Lerond, Penverne, Marcel; Wisnieski, Kopa, Fontaine, Piantoni, Vincent.

Final: 29/junho/1958
Brasil 5 x 2 Suécia
Local: Raasunda (Estocolmo)
Árbitro: Maurice Guigue (França)
Gols: Liedholm 4, Vavá 8 e 32 do 1º tempo; Pelé 11, Zagalo 23, Simonsson 35, Pelé 44 do 2º.
BRASIL: Gilmar; Djalma Santos, Bellini, Orlando, Nílton Santos; Zito, Didi; Garrincha, Vavá, Pelé, Zagalo.
SUÉCIA: Svensson; Bergmark, Axbom; Borjesson, Gustavsson, Parling; Hamrin, Gren, Simonsson, Liedholm, Skoglund.

 

Tema Musical Brasileiro da Copa do Mundo 1958

A Taça do Mundo é Nossa

Maugeri/Müller/Sobrinho e Dagô

 

D               Em

A taça do mundo é nossa

        

A7                 D

Com brasileiro, não há quem possa

 

                    #7

Êh eta esquadrão de ouro

        

B7              A7

É bom no samba, é bom no couro

 

D               Em

A taça do mundo é nossa 

        

A7                 D

Com brasileiro, não há quem possa

                   

F#7

Êh eta esquadrão de ouro

        

B7              A7

É bom no samba, é bom no couro

 

EM          A7    D

O brasileiro lá no estrangeiro

 

Em       A7               D

Mostrou o futebol como é que é

 

Gm     A7      D

Ganhou a taça do mundo

 

E7                  A7

Sambando com a bola no pé (Goool!)

 

 

 

 

Copas do Mundo de Futebol

1930 - 1934 - 1938 - 1950 - 1954 - 1958 - 1962 - 1966 - 1970 - 1974 - 1978 - 1982 - 1986 - 1990 - 1994 - 1998 - 2002 - 2006 - 2010 - 2014 - uniformes usados pela seleção brasileira.

 

 

 

 

APRF.Turismo Contato - Mapa Site
Copyright © 2001. Todos os direitos reservados.
Revisado em: 15/12/14.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 

   

 

 

 

 

 

 

 

 

Propaganda L3